Novas medidas restritivas passam a valer em Veranópolis a partir desta quarta-feira

Após duas semanas de altas nos indicadores epidemiológicos, o Prefeito de Veranópolis, Waldemar de Carli, anunciou, em coletiva de imprensa

Após duas semanas de altas nos indicadores epidemiológicos, o Prefeito de Veranópolis, Waldemar de Carli, anunciou, em coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira, as novas medidas restritivas que passam a valer no município a partir desta quarta-feira (02).

O prefeito salientou o aumento na exigência das estruturas hospitalares do município, já comprometidas com a chegada do inverno. O atendimento ambulatorial, aliado às campanhas de vacinação, exigem novos cuidados para não acarretar sobrecarga no sistema.

Entre as principais mudanças, podem-se destacar:

-os bares serão obrigados a fechar as 18h durante a semana e a partir das 13h no sábado

-restaurantes podem atender até às 22h 

-comércio pode funcionar até as 18h e não podem abrir no sábado a tarde

-qualquer evento, esporte coletivo e clube social estão terminantemente proibidos

-as igrejas devem permanecer fechadas

No momento, as escolas permanecem abertas, bem como as empresas podem continuar funcionando. Porém, o prefeito destacou que é preciso uma conscientização e controle urgente da situação epidemiológica, para que essas atividades não sejam suspensas também.

De acordo com o De Carli, essas são condições inegociáveis, não haverá espaço para debate dessas medidas, até pelo menos, dia 14/06, dada a realidade preocupante do município. Os estabelecimentos que fugirem dessa regra receberão primeiramente multa e em caso de contrariedade, serão fechados. “É assustador, mas precisa ser feito”, declarou Waldemar.

“Estamos em um momento crítico dessa pandemia, precisamos conscientizar a população, porque temos pouquíssimos leitos e se a coisa continuar dessa maneira, talvez o hospital não consiga atender nem as internações simples”, ressaltou o vice-prefeito Thomas Schienman.

O município tem, no momento, dois leitos de Covid disponíveis, dados que preocupam os gestores municipais, pela rápida expansão do contágio da doença.