Paciente de Garibaldi que recebeu plasma convalescente apresenta melhoras no quadro respiratório

Os 15 dias da primeira transfusão de plasma convalescente ocorrida no Rio Grande do Sul foram completados nesta terça-feira (9).

Os 15 dias da primeira transfusão de plasma convalescente ocorrida no Rio Grande do Sul foram completados nesta terça-feira (9). O período é marcado pela evolução do paciente de 63 anos, diagnosticado com coronavírus e internado na UTI do Hospital Virvi Ramos, em Caxias do Sul. Ele recebeu o material de um homem recuperado da covid-19 e nesta terça acordou do coma induzido.

O paciente estava sedado para que o processo de entubação e ventilação respiratória fossem eficazes.

A melhora respiratória dos pulmões começou a acontecer cerca de três dias após a transfusão. Agora, ele consegue ficar sem a ajuda do respirador durante o dia, voltando a utilizar à noite. A maior expectativa é de que ele fique totalmente fora do equipamento em breve.

O paciente agora precisa apresentar evolução no quadro de fraqueza muscular. Para isso, fisioterapias respiratórias serão intensificadas de acordo com as condições dele.

O processo de transfusão de plasma convalescente faz parte de um tratamento experimental em que se acredita que os anticorpos do paciente recuperado da covid-19 sejam passados ao doente. A doação do plasma foi possível graças a um equipamento do Hemocentro Regional de Caxias do Sul (Hemocs) capaz de realizar o procedimento.

O doador é um pesquisador da área de Biomedicina, de Porto Alegre, que já contraiu coronavírus. Fabio Klamt, 44 anos, que defende o tratamento como o uma terapia de primeira escolha e acabou sendo o primeiro doador compatível para que sua pesquisa se tornasse real no Rio Grande do Sul.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Pioneiro