Pelo menos 26 mil doses de vacina vencida foram aplicadas no país

Os imunizantes fora do prazo seriam provenientes de lotes importados da Índia pela Fiocruz ou adquiridos por meio da Opas

Os imunizantes fora do prazo seriam provenientes de lotes importados da Índia pela Fiocruz ou adquiridos por meio da Opas

Um cruzamento de dados feito em duas bases de informações diferentes do Ministério da Saúde aponta que pelo menos 26 mil doses vencidas da vacina contra covid-19 da AstraZeneca foram aplicadas no Brasil, segundo notícia publicada nesta sexta-feira (2) pelo site da Folha de S.Paulo. De acordo com a reportagem, os imunizantes fora do prazo seriam provenientes de lotes importados da Índia pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) ou adquiridos por meio da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). O Ministério da Saúde informou, em nota, que nenhuma dose de vacina é entregue aos estados e Distrito Federal vencida. Conforme a reportagem, que compilou dados até 19 de junho, os imunizantes que tiveram prazo de validade expirado foram utilizados em 1.532 municípios brasileiros. A cidade campeã de vacinas vencidas foi Maringá (PR), com a vacinação de 3.536 pessoas, seguida por Belém (PA), com 2.673; São Paulo, 996; Nilópolis (RJ), 852; e Salvador (BA), com 842. A Folha cita que as demais cidades tiveram menos de 700 pessoas vacinadas com imunizante vencido, ressaltando que a maioria não passou de 10 doses cada.

Rio Grande do Sul

A assessoria de imprensa do Estado informa que ocorre nesta tarde uma conferência em relação aos imunizantes que possam ter sidos administrados fora do prazo de validade, assim como aguarda a manifestação do Plano Nacional de Imunização. O Estado também quer tranquilizar a população gaúcha e esclarecer que caso sejam identificados doses aplicadas com qualquer insegurança em relação a sua eficácia – quer seja pelo prazo de validade ou pela conservação, há planos de contingência e segurança previstos. Segundo relatos da Organização Mundial da Saúde, o risco se dá em relação à diminuição do efeito protetor da vacina e não ao risco de evento adverso pelo prazo de validade.

Fonte: Agência Brasil