Trânsito

"Ele nunca tinha dirigido" diz pai de motorista morto em acidente na BR-470, em Nova Prata

Cauã Greef de Souza, de 16 anos, dirigia sem permissão o carro da família, que mora em Caxias do Sul

Clodimar Nogueira de Souza, 44, pai de Cauã Greef de Souza, 16, que morreu após colidir frontalmente o Zafira que dirigia contra um caminhão, na BR-470, em Nova Prata, diz ainda não entender o que aconteceu na manhã de terça-feira (5), quando o acidente foi registrado.

Cauã morava com os pais e quatro irmãos, sendo um gêmeo dele, no bairro Cidade Nova, em Caxias do Sul. Segundo o pai, ele pegou o carro sem pedir permissão, enquanto ninguém encontrava-se em casa.

— Ele nunca tinha dirigido, nem o nosso carro nem o de ninguém — garante Clodimar, que trabalha como caminhoneiro e afirma nunca ter deixado seus filhos dirigirem porque isso poderia fazer com que ele perdesse a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e, consequentemente, o emprego que sustenta a família.

— Ele dizia que queria ter um carro. Faz um ano e pouco, ele pediu pra aprender a dirigir, mas depois nunca mais falou nada sobre isso.

Segundo o pai do adolescente, na manhã de terça-feira Cauã foi o penúltimo a sair de casa, por volta das 6h45min, para tomar o ônibus e deslocar-se, como de costume, ao bairro Cruzeiro, onde cursava Mecatrônica no Senai. Às 7h, Clodimar foi o último a sair.

Por volta das 10h, sua esposa — que havia acompanhado o irmão gêmeo de Cauã a uma entrevista de emprego — retornou e constatou que o carro não estava na garagem.

— Ela me mandou mensagem na hora, achamos até que alguém tivesse roubado, mas não tinha sinal de arrombamento. Acabamos ligando pro Cauã e ele já não atendeu mais — relata Clodimar.

Caso o desvio de rota — ainda não esclarecido — não tivesse ocorrido, Cauã almoçaria a marmita que costumava levar de casa para continuar seus estudos à tarde, na Escola Estadual Técnica Caxias Do Sul (Etecs).

— A marmita estava com ele no carro. Ele era estudioso, todos os meus filhos são educados à moda antiga, nunca desobedeceram, não entendo o motivo dele ter feito isso.

Despedida

O corpo de Cauã será velado na Capela São Giácomo, em Caxias do Sul, nesta quarta-feira (6). O sepultamento ocorre no mesmo dia, às 16h, no Cemitério Municipal de Farroupilha. 

 

Matéria do Jornal Pioneiro 

Por Milena Schäfer