Professoras da região integrarão equipe de reformulação do Ensino Médio no RS

A Nova Reforma do Ensino Médio, através da Lei nº 13.415/2017 efetivou-se com mudanças ensino médio, que agora, passou a

A Nova Reforma do Ensino Médio, através da Lei nº 13.415/2017 efetivou-se com mudanças ensino médio, que agora, passou a ter uma nova identidade, tornando-se direito de todo cidadão brasileiro, pois passou a ser determinado como Educação Básica. O ensino médio público brasileiro teve uma expansão significativa na década de 1990, mas passou a ser obrigatório apenas no ano de 2009, por intermédio de Emenda Constitucional, que prevê a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos de idade. 

Apesar da obrigatoriedade, o ensino médio ainda precisa superar uma diversidade de desafios, como formação dos professores, infraestrutura escolar, conteúdos a serem ensinados, motivação para os alunos a continuarem os estudos, identidade e finalidade dessa etapa da educação básica, entre outros. 

O que é o Novo Ensino Médio?

De acordo com o Ministério da Educação, MEC, a mudança tem como objetivos garantir a oferta de educação de qualidade à todos os jovens brasileiros e de aproximar as escolas à realidade dos estudantes de hoje, considerando as novas demandas e complexidades do mundo do trabalho e da vida em sociedade. O Novo Ensino Médio pretende atender às necessidades e às expectativas dos jovens, fortalecendo o protagonismo juvenil na medida em que possibilita aos estudantes escolher os conteúdos e assuntos que desejam aprofundar ao longo dos três anos, e isso contribuirá para maior interesse dos jovens em acessar a escola e, consequentemente, para sua permanência e melhoria dos resultados da aprendizagem.

Nesse sentido, faz-se necessária a escrita de um documento de referência que oriente a (re)elaboração da Proposta Pedagógica de cada escola do território estadual, de maneira a promover a necessária organização dos tempos e espaços, bem como práticas pedagógicas e de gestão compatíveis com as aprendizagens essenciais que se pretende garantir aos estudantes gaúchos do ensino médio.

Expectativas positivas

Ainda no mês de setembro, a Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul, Seduc, lançou edital de Transferência Temporária para Dedicação Exclusiva à Escrita do Currículo do Novo Ensino Médio no RS e no final do mês de outubro foram divulgados os nomes dos professores que farão parte dessa equipe, entre os nomes, está o da professora veranense Mariele Gabrielli.

Ela iniciou sua trajetória na educação ainda no Ensino Médio, em 2002, quando iniciou o Curso Normal no Colégio Regina Coeli. Em 2005, ingressou no magistério público municipal de Veranópolis e permaneceu até 2015, como professora alfabetizadora, com atuação nas Escolas Municipais Adriano Farina e Felipe dos Santos. Neste período atuou também como docente de Língua Portuguesa e Inglesa nas Escolas Joana Aimé e Senador Alberto Pasqualini. No ano de 2012, por meio de concurso público, na Rede Estadual de Ensino do Rio Grande do Sul, lotada Colégio Estadual São Luiz Gonzaga, ministrando aulas de Língua Portuguesa, Inglesa e Literatura para o Ensino Médio. 

Desenvolveu também atividades docentes no Instituto de Educação Josué de Castro, em Veranópolis, com oficinas de Língua Portuguesa e Literatura para o Curso Técnico de Administração de Cooperativas. Em 2018 atuei como docente substituta no Instituto Federal de Educação do Rio Grande do Sul, Campus Bento Gonçalves, para os cursos de Licenciatura em Pedagogia, Matemática e Física e para os tecnólogos em Alimentos e Enologia e Viticultura. Além disso, ela também é professora de Redação do pré-vestibular da Conceito Assessoria Educacional e, neste ano, assumiu o cargo público de Psicopedagoga Institucional junto à Secretaria Municipal de Educação de Vila Flores. 

Mariele, ao centro, juntamente com a diretora,
a vice e a supervisora do Colégio São Luiz

“Fiquei sabendo do edital por meio do grupo de recados do Colégio São Luiz Gonzaga. Nele, a Diretora Elizabete disponibilizou o link com as informações para inscrição. Além disso, a Supervisora Taís incentivou minha participação, com recadinhos no meu WhatsApp, como ‘te inscreve Mari, achei a tua cara”, conta.

Além do apoio das colegas de trabalho e da família, o que motivou a professora a inscrever-se foi o grande interesse pela legislação educacional brasileira e seus efeitos na prática docente diária, que surgiram ainda no período que ela estudava para o seu Mestrado em Educação, em 2016. “Penso que minha experiência como professora do Ensino Médio, aliada ao interesse teórico, poderia ser um diferencial na seleção, o que, de fato, veio a garantir minha vaga”, revela Mariele.

De acordo com Mariele, a possibilidade de revisão de conceitos, de formação de grupos de discussão, do engajamento dos docentes e da efetiva participação na escrita de um documento de referência para as redes reveste a sua participação como redatora do currículo do Novo Ensino Médio de muitas expectativas positivas.

“A importância de participar deste desafio é que, partindo do pressuposto de que o Currículo de Referência contempla as expectativas locais para a formação dos estudantes, minha vivência como docente do Ensino Médio no Colégio São Luiz pode trazer para o texto que estamos escrevendo muitos aspectos da prática de sala de aula, por meio da experiência do que  produz bons efeitos, daquilo que os alunos de fato aprendem, do que é fundamental para a formação discente”, conta.

A oportunidade de participar de uma discussão curricular de tamanhas proporções, a construção coletiva e a interação, revela Mariele, a motivam a ser uma profissional cada vez melhor. “Pensar em grupo ajuda a delinear o que é fundamental e exequível no Ensino Médio do Rio Grande do Sul, tendo em vista todos os desafios que, há anos, enfrentamos como docentes da escola pública estadual gaúcha”, finaliza.

Felicidade e realização

Outra representante da região, assim como Mariele é a professora Ivana da Rosa Garcia. Formada em Química pela Universidade de Cruz Alta e Licenciatura em Pedagogia pela Universidade do Rio Grande do Sul, ela também tem mestrado em Tecnologia Ambiental pela Universidade de Santa Cruz do Sul e é especialista em Gestão Educacional e em Qualificação Docente em Ciências da Natureza e Matemática e cursa especialização em Supervisão Escolar e Orientação Escolar. Atualmente é vice-diretora do Instituto Estadual de Educação Tiradentes.

“Tenho onze anos de experiência como professora de Química do Ensino médio. E neste tempo como profissional, vivenciei inúmeras mudanças, especialmente no ensino médio estadual: Seminário Integrado, Projeta de vida foram disciplinas introduzidas e trabalhadas com bastante empenho de minha parte. Sempre se adaptando, aprendendo e melhorando a cada dia”, comenta Ivana.

 Ela conta que ficou sabendo das inscrições através do edital   publicado pela Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul e que   a sua motivação partiu do estímulo para evoluir sempre. “Motivada   em aprender cada vez mais, desenvolver e aprimorar maiores   habilidades, e ainda ter a oportunidade de contribuir para   construção de um documento histórico para a sociedade gaúcha   que permitirá a ressignificação do planejamento e da prática   docente quanto ao desenvolvimento de competências e de   habilidades dos estudantes, instigando-o ao protagonismo e à   transformação social”, diz.

“Me sinto muito feliz e realizada, com certeza! A escola através do Diretor Silvano Marchetti, me deu os parabéns de uma forma que nunca irei esquecer. Ele me disse: ‘Você está colhendo um resultado que é fruto de teu trabalho, empenho e dedicação. Nossa instituição se engrandece sabendo que tem em seu quadro de professores alguém com teu perfil profissional. Parabéns!”, conta Ivana sobre o resultado da seleção.

Ela ainda finaliza, demonstrando o seu orgulho por representar o município de Nova Prata, de acordo com Ivana, esse é o resultado de uma história que vem se construindo ao longo de dois anos de estudo, de diálogos e de democracia. Para ela, a redação desse documento está dando voz e vez aos professores, aos estudantes, da esfera estadual, em que se almeja em consolidar uma Proposta Curricular flexível, de respeito aos profissionais que atuam diariamente no chão das escolas.

“Estou muito orgulhosa de Nova Prata ter uma de suas professoras, entre os dezoito profissionais selecionados para atuar no grupo de Redatores do Referencial Curricular Gaúcho do Ensino Médio, assim como eu, meus colegas de profissão, têm como compromisso o desenvolvimento dos estudantes que frequentam esses espaços de aprendizagem, sempre focados nos processos de ensinar e de aprender para o desenvolvimento de um sujeito crítico e autônomo”, finaliza.