Veranópolis registra 130 casos ativos de Covid-19 e Saúde está em alerta

Desde segunda-feira, dia 3, os municípios têm registrado um aumento significativo dos casos de Covid-19, resultado das festas de final

Desde segunda-feira, dia 3, os municípios têm registrado um aumento significativo dos casos de Covid-19, resultado das festas de final de ano. Em Veranópolis, já são 130 casos ativos da doença. Em entrevista à Rádio 96.1 FM, na manhã desta sexta-feira, dia 7, a secretária da Saúde do município, Vanessa Calioni Bordignon, e a coordenadora da Atenção Básica, Juliana Lauer Gonçalves, conversaram sobre essa situação.

Segundo a secretária, o retorno dessas férias do final do ano, que é o que as pessoas trazem para nós no momento do atendimento, trouxe a Covid-19. O município estava atento para que situações como essa poderiam acontecer. “Nunca desleixamos em relação a organização do sistema e sempre pensamos que poderia haver uma nova onda, um novo período conturbado para a saúde. Pensando nisso, desde que a gente planejou o fechamento a unidade de triagem respiratória, onde os atendimentos eram centralizados, logo se estruturou uma organização nos postos de saúde do município”, relata Vanessa.

A coordenadora da Atenção Básica salienta que Veranópolis possui cinco Estratégias de Saúde da Família e mais o Posto de Saúde Central, sendo que todas as unidades estão organizadas para receber as pessoas que tiverem os sintomas. “Quem tiver sintoma respiratório, a preferência é que se busque o atendimento pela manhã. Além disso, no sábado estará aberto o Posto de Saúde Central, das 8h às 14h, sem fechar ao meio-dia”, destaca Juliana. Ela comenta que o público principal que tem buscado as unidades são adultos jovens, apresentando sintomas gripais. “A grande maioria dos positivos desta semana, mais de 96%, foram pessoas que viajaram”, frisa. Juliana alerta que é importante estar atendo a tudo que está acontecendo. “Quando eu me cuido, cuido as minhas ações, estou contribuindo com o coletivo. O momento é de atenção”, orienta.

Sobre a possibilidade do retorno da unidade sentinela, Vanessa afirma que é a última opção. “Queremos tranquilizar a população que as pessoas estão sendo assistidas. Independente da unidade de triagem respiratória estar centralizada, hoje os nossos serviços de saúde estão voltados para isso. Estão seguindo o protocolo de atendimento da unidade de triagem respiratória em cada unidade de saúde”, explica. Ela ressalta que é preciso que as pessoas reavaliem seu comportamento. “A orientação é a mesma que estávamos dando há dois anos. Estamos contando que nas próximas semanas essa procura diminua, mas isso depende exclusivamente das pessoas”, destaca a secretária.