Uma nova ‘cara’ para a Júlio

O edital do Concurso Público Nacional de Projeto de Arquitetura e Urbanismo, que visa a revitalização de trecho da Avenida

O edital do Concurso Público Nacional de Projeto de Arquitetura e Urbanismo, que visa a revitalização de trecho da Avenida Júlio de Castilhos foi lançado no dia 18 de janeiro. Os projetos deverão ser apresentados até o dia 07 de março, às 16h. 
A proposta de revitalização foi apresentada aos moradores e comerciantes do trecho que será revitalizado (entre a Igreja Matriz e agência dos Correios – cruzamento com a Avenida Dr. José Montaury), por meio de uma reunião onde foram abordadas as diretrizes que farão parte do projeto. 
A melhor criação escolhida pela Comissão Julgadora receberá R$ 40.000,00, o valor será entregue ao responsável técnico. 
A arquiteta Joanna Peruffo acredita que será bom receber ideias de outras equipes e isso torna o processo bastante transparente. 
Romeo Matielo Tedesco, secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, acrescenta que a opção por fazer o concurso abre a possibilidade de uma escolha democrática. 
Poderão participar do concurso os profissionais da Arquitetura e Engenharia Civil (CREA e CAU), sendo imprescindível a presença de um Arquiteto Urbanista dentro da equipe. Na data de entrega, o que precisa ser enviado é o anteprojeto. Porém, o projetista precisará apresentar uma base de orçamento, uma projeção de custos com valor estimado em R$ 1 milhão para execução da obra. O vencedor terá um prazo de sessenta dias para fazer os projetos executivos que irão para a licitação. 
Joanna coloca que o concurso tem diversas diretrizes, que precisarão ser respeitadas, e uma delas é a instalação da rede subterrânea para retirar toda a fiação, que segundo a arquiteta, hoje polui o visual da igreja. O trecho que receberá revitalização tem aproximadamente 200 metros, totalizando cerca de seis mil metros quadrados, levando em conta a via e passeio público.
Farão parte da Comissão Julgadora três arquitetos urbanistas, professores da Universidade de Caxias do Sul (UCS) e dois representantes da cidade, Carlos Alberto Spagnol Filho, presidente da ACIV, e Rener Fischer, engenheiro civil. 
Segundo Joanna, “essa é uma modalidade muito importante e seria a mais correta para usar quando se trata de projeto técnico, porque o projeto não pode ser mensurado pelo valor, ele tem que ser escolhido pela qualidade”.
Após toda essa etapa será realizado o de execução da obra. E nesse momento, segundo Joanna, “será preciso ter cuidado em relação ao edital, exigir que a empresa seja realmente especializada no serviço, e deixar algumas diretrizes, dentro do edital, que assegurem que a obra não terá tanto transtorno quanto a da Palugana. Mas, isso estará no edital e não do projeto”, frisa. Romeo complementa: “Cabe à prefeitura ‘apertar no edital’ para que uma empresa sólida e qualificada ganhe, visando que a obra aconteça de forma rápida, com menos transtornos possíveis. Apesar de que, por se tratar do local que é, vai com certeza, gerar alguma dificuldade”, afirma. 
Para o futuro, a expectativa da Administração Municipal é que toda a extensão da Avenida Júlio receba a revitalização.
Joanna coloca também que por ser uma obra de reforma é difícil prever prazos, porém, a intenção é que nesse ano elas se iniciem e que os trabalhos sejam finalizados em 2019.
Para a realização dessa revitalização, o poder público conta com uma verba do deputado Marcio Biolchi (MDB) de R$ 500 mil. Por isso também que o processo não pode demorar muito, pois existe o prazo da verba e é necessária, a aprovação da Caixa Econômica. A Prefeitura irá completar com o valor restante.  
Para o secretário, o projeto de revitalização da Avenida é inovador.  Segundo ele, a prefeitura está olhando com outros olhos para a via que é a de entrada da cidade, para que as pessoas possam utilizar mais do que os carros. “Hoje, existe uma diretriz que coloca a necessidade de mais espaço ao pedestre e menos ao veículo, porém, isso não significa que não terá mais carro, nem estacionamento”, coloca. Todas essas questões já foram discutidas com mo-radores e comerciantes do trecho, quando ficou decidido que a passagem de carros não será impedida. 
Se trata de um investimento também milionário, mas que vai mudar a cara da cidade. Segundo ele, a revitalização vai de encontro com a obra da Avenida Osvaldo Aranha, de modo que o trecho em frente à Igreja Matriz será finalizado com a revitalização da Júlio.
O município também deverá estudar a possibilidade de colocação de estacionamento rotativo na área central.