Veranópolis perde o homem que controlava o tempo

Nesta terça-feira, dia 10, será sepultado o mecânico Lídio Lusa, aos 88 anos. Ele foi o responsável por fazer o

Nesta terça-feira, dia 10, será sepultado o mecânico Lídio Lusa, aos 88 anos. Ele foi o responsável por fazer o relógio da torre da Igreja Matriz de Veranópolis voltar a funcionar, após os ponteiros terem ficado 15 anos parados. Na edição 1406 d’O Estafeta, que circulou em 9 de janeiro de 2019, Lusa foi um dos entrevistados em um especial sobre os sinos e sua importância na região, no Caderno Estafeta +.

Para a matéria, ele relembrou a história de quando pediu ao pároco da época se podia tentar consertar o relógio e o padre respondeu: “Daí você fará um bem para o povo!”. Após conseguir fazer o equipamento voltar a funcionar, era preciso dar corda a cada três dias, manual, com uma manivela. Mas o mecânico adaptou um motor, para diminuir este trabalho manual, garantindo que o relógio durasse quase sete dias, sem precisar dar corda.

Por volta de 1982, após muitos consertos, Lusa per­cebeu que as peças esta­vam muito gastas e pre­cisavam ser substituídas. Então, levou o relógio, que tem uma estrutura gigan­te e bem rudimentar, com muitas engrenagens feitas à mão, para sua casa e o reformou completamente. “Tem que ter o dom, se concentrar, para mexer no relógio e não o descon­trolar”, destacou. Somente com mãos habilidosas e muita calma é que conseguimos controlar o tempo – não será diferen­te com um relógio, ainda mais o da cidade. Além do relógio de Veranópolis, também consertou os aparelhos de Vacaria e de Cotiporã.

A despedida de Lídio Lusa está marcada para às 11h desta terça-feira, dia 10, no Cemitério Municipal de Veranópolis. O velório está sendo realizado na Capela Mortuária da Funerária Tedesco, sala A. Ele deixa a esposa, Lídia Scalco Lusa, com quem teve oito filhos.