Cemitério de Nova Prata recebe o nome de Placidina Vieira de Araújo

O Cemitério Municipal de Nova Prata agora se chama Cemitério Público Municipal Placidina Vieira de Araújo. Além do nome dado

O Cemitério Municipal de Nova Prata agora se chama Cemitério Público Municipal Placidina Vieira de Araújo. Além do nome dado em forma de homenagem a Placidinha Vieira de Araújo, personagem importante da história pratense, o local recebeu diversas melhorias.
Foram trocados os vidros da capela, novo reboco e substituídas as cortinas. As calçadas foram restauradas e pintados os cordões e degraus. Novas lixeiras instaladas em diversos pontos, além da identificação do espaço destinado para ascender velas e colocar coroas. A pintura e reparos também aconteceram em frente as carneiras (gavetas) e toda limpeza e pintura no entorno da quadra.
Também foram realizados reparos onde Placidina e seu marido, Silvério Antônio de Araújo estão sepultados.
Foram instalados um pórtico com o nome do local e uma placa com a descrição histórica.
Conforme a secretária de Assistência Social, Janaina Casanova, responsável pela iniciativa, ainda serão construídas mais 55 carneiras nas próximas semanas.
CONTEXTO HISTÓRICO
Placidina Vieira de Araújo nasceu no Estado do Rio Grande do Sul, no ano de 1845, tendo casado com Silvério Antônio de Araújo e morado na Fazenda da Pratinha.
O Cemitério Municipal passa a se chamar Cemitério Público Municipal Placidina Vieira de Araújo, em homenagem a esta mulher, pois, juntamente com seu marido, foram os doadores das terras onde se construiu a primeira igreja, onde logo o povoado passou a denominar-se São João Batista do Herval.
Por falta de documentos para legalização destas terras e também pela divergência de datas, foi somente após a morte do marido que Placidina, através de sua influência, pode efetivar os termos da doação, no dia 30 de setembro de 1904. A área de terras desta doação corresponde ao que hoje inicia no bairro Retiro, se estendendo até aproximadamente à nova sede do Grêmio Pratense.
Através de sua contribuição, Placidina se torna uma personagem essencial na história desta cidade que hoje chamamos de Nova Prata.
Fotos: Vilson Paludo/AI