Jogador denuncia suposta manipulação de resultados na Terceirona; Nova Prata está envolvido em polêmica

SEGUNDO O PORTAL DIÁRIO POPULAR, em matéria PUBLICADA EM SEU SITE, o atleta Jefferson Luis, do Grêmio Esportivo Sapucaiense, fez

SEGUNDO O PORTAL DIÁRIO POPULAR, em matéria PUBLICADA EM SEU SITE, o atleta Jefferson Luis, do Grêmio Esportivo Sapucaiense, fez uma grave denúncia nesta sexta-feira (28) a respeito de uma suposta manipulação de resultados no futebol gaúcho. O jogador apontou que a equipe adversária, a Associação Nova Prata, vendeu o jogo por envolvimento com casas de apostas.

A partida entre Sapucaiense e Nova Prata, válida pela oitava rodada da terceira divisão estadual, foi realizada no estádio Arthur Mesquita Dias, em Sapucaia do Sul, debaixo de muita chuva. Com poças d'água por toda a extensão do campo, a bola pouco rolou. Vice-líder do grupo C, o time da casa venceu por um placar elástico, 6 a 0. Jefferson Luis marcou duas vezes na goleada e foi eleito o craque do jogo na transmissão da Federação Gaúcha de Futebol. Após a partida, o atleta desabafou em uma rede social.

“Hoje fui escolhido o craque de um jogo, o que para um atleta profissional que tenha uma história no futebol gaúcho é até vergonhoso. Ver uma equipe adversária que participa de jogos de azar e ter que passar por isto foi uma sensação que não condiz com o futebol que tanto lutei e ainda luto diariamente para estar ativo”, declarou o meia.

Jefferson Luis é um jogador experiente. Tem 37 anos e passagens por vários clubes do interior do Rio Grande do Sul, inclusive o Pelotas, clube pelo qual foi campeão dos torneios conquistados pelo Lobo entre 2013 e 2014. O meia foi o artilheiro do Gauchão 2010 pelo São José e no ano passado ainda venceu a Copa FGF com o Santa Cruz. Conhecido por seu futebol de muita garra e entrega dentro das quatro linhas, ele seguiu o desabafo na publicação. “Nunca aceitaria vender um jogo, pois tudo que passei para conquistar meu sonho de ser jogador de futebol nenhum dinheiro no mundo pagaria. Espero que o nosso futebol gaúcho não permita que estas pessoas estraguem a nossa história, que é de um futebol aguerrido e, na grande maioria, feito por pessoas honestas”, completou.

Atualmente as partidas da Terceirona Gaúcha estão disponíveis em sites conhecidos de apostas.

Outros atletas do Sapucaiense também comentaram na publicação de Jefferson Luis. O atacante Jajá – artilheiro do Caxias na Divisão de Acesso de 2017 e que atuou no Farroupilha em 2010, quando ainda era conhecido como Jarbas – reforçou a posição do colega. “Não há palavras que nos tire esse sentimento de indignação com o que foi presenciado dentro das quatro linhas hoje, irmão. Para nós que fizemos parte do jogo foi um sentimento de falta de profissionalismo total do adversário e isso fez com que nosso sentimento fosse o mesmo. Nos sentimos desvalorizados profissionalmente pela venda do.jogo por parte do adversário. Temos uma história dentro do futebol gaúcho e sempre lutamos pela força do interior e uma situação como essa nos deixa imensamente tristes.”

A publicação também recebeu comentários de ex-atletas do Brasil, como Rafael Gava e Nena.

Denúncia grave

A suspeita sobre as atuações do Nova Prata começaram na rodada anterior. A equipe, que havia empatado por 1 a 1 com o Novo Horizonte fora de casa, tomou 7 a 0 para o mesmo adversário jogando na Serra. Pessoas que assistiram ao confronto apontaram “falta de vontade” por parte de atletas pratenses em momentos cruciais da partida.

Uma testemunha, que prefere não se identificar, esteve no jogo de sexta-feira em Sapucaia do Sul. Ela relata ainda um comportamento estranho por parte de pessoas identificadas da equipe da Serra. Quando o placar estava 4 a 0 para o Sapucaiense, foi ouvido da arquibancada um direcionamento claro: “Faltam dois. Tem que ser seis”.

A mesma testemunha aponta que quando Anderson marcou o sexto gol do Sapucaiense, os atletas adversários passaram a pedir o fim do confronto. A partida teve transmissão da FGF TV. Aos 13 minutos do segundo tempo, a câmera apresentou problema técnico. O sinal ainda voltou em alguns momentos, mas a metade final da etapa complementar foi transmitida apenas por áudio.

Houve até mesmo certa dificuldade por parte da equipe de narração para descrever o penúltimo gol do confronto tamanha a “pixotada”. “O goleiro fez uma defesaça, pra sair bem na foto, e na sequência arranca risos de todo mundo por aqui. Botou no pé do colega, só que o colega não era do time dele, era do adversário. E o goleiro depois dessa pede pra sair”. O comentarista aponta que não havia um arqueiro para reposição e um jogador de linha precisou entrar para defender a meta.

O sexto e último gol, que ratificou o resultado suspeito, foi marcado por Anderson, aos 40 minutos. A reportagem tentou ter acesso à súmula da partida, redigida pelo árbitro Deividi Souza de Frentas, mas o documento ainda não está disponível no site da FGF.

Equipe terceirizada

Em contato com a reportagem, o presidente da Associação Nova Prata, Marcos Rodrigues da Rosa disse desconhecer a denúncia sobre a partida e que, por isso, não tem como se manifestar a respeito.

Ele e os demais diretores não acompanharam o confronto diante do Sapucaiense. O mandatário explica que o clube está em situação financeira desfavorável e totalmente sem recursos, e que terceirizou o elenco para a disputa da competição.

“Gostaria de salientar que a equipe que joga são terceiros, que fizeram contrato conosco para usar o nome do clube e custear o campeonato. Em troca pedimos, no contrato, pagamento de dívidas junto à Federação e a quitação de outras dívidas da entidade. Enfim, nós só temos a marca e o registro na Federação. O futebol é feito com parceria de gestão.”

O Nova Prata foi inscrito na competição de última hora, ocupando a vaga do Garibaldi, que desistiu.

Situação é recorrente no país

Esta não é a primeira vez que ocorrem indícios de venda de resultados no futebol brasileiro em 2021. Há pouco mais de um mês, o Ministério Público do Distrito Federal passou a investigar clubes do Campeonato Brasiliense.

A investigação iniciou após uma denúncia de dirigentes duas agremiações e do presidente da Federação de Futebol do DF, que suspeitam de resultados “pouco prováveis” ocorridos na fase classificatória do campeonato. Entre eles, a vitória do Samambaia por 6 a 1 sobre o Formosa e a vitória do Ceilândia sobre o mesmo Samambaia por 8 a 1 em um intervalo de sete dias.

Nas duas ocasiões, valores altos eram pagos pelos placares mais elásticos e pouco prováveis em casas de apostas.

Há menos de uma semana, a Federação Norte-rio-grandense de Futebol (FNF) anunciou que vai apurar supostas irregularidades quanto a resultados de jogos do Campeonato Potiguar. Em documento, a entidade entrou em contato com o Tribunal de Justiça Desportiva do Rio Grande do Norte pedindo a elucidação dos fatos “para que não haja dúvidas sobre a correção de clubes e equipes em campo” e disse que o Tribunal deve punir rigorosamente os envolvidos em caso de confirmação de fraudes.

Fonte Diário Popular

(Foto: Reprodução – FGF TV)

 

 

A direção da Associação Nova Prata enviou NOTA A RÁDIO ATIVA

A Diretoria da Associação Nova Prata de Esportes Cultura e Lazer, informa à comunidade pratense, à imprensa e a quem interessar que: repudia veementemente as acusações feitas na rede social Instagram pelo perfil Jeffetininho, pertencente ao atleta Jefferson Luis do Clube Esportivo Sapucaiense. Aguardamos uma retratação do atleta e uma comunicação oficial do clube ao qual pertence. Fizemos contato com o presidente da entidade em questão, e, não percebemos interesse em solucionar o incidente. Sendo assim, no que tange à honra e a imagem da Associação Nova Prata, à honestidade e ética dos membros da diretoria, tomaremos as providencias junto aos órgão judiciais, pois estamos sendo acusados de venda de jogo e envolvimento com jogos de azar.

Esclarecemos o seguinte: os jogos nos campeonatos oficiais e os treinamentos de base estão terceirizados desde 2019 com a empresa Esporte Clube Cefasa Eireli ME, sendo que: em 14 de abril de 2021, foi feito um adendo nesse contrato de gestão, para que dois outros gestores de esportes: Wellington Fabricio da Rocha, empresário Individual de Itapuranga SC e Tiago dos Santos Roberto, com endereço em Blumenau SC, no contrato em questão denominados “Parceiros de Gestão”, fizessem a gestão do futebol e custeio de despesas para participação no Campeonato Gaúcho Segunda Divisão de 2021 e Copa FGF 2021. Em contrapartida, esses liquidariam débitos, do clube esportivo, junto à Federação Gaúcha de Futebol no valor de R$ 15.000,00 e, juntamente com o Esporte Clube Cefasa Eireli ME, pagariam débitos em torno de 15.000,00 junto à Receita Federal, valores esses pendentes no CNPJ da entidade. Bem como, custeariam todas as despesas para participação nas competições citadas. Sendo assim, informamos que a diretoria da entidade NÃO participa da competição diretamente e não tem profissionais ou atletas sob seu comando. Todos os profissionais e atletas da base pertencem ao CEFASA e os atletas profissionais, até o presente momento, aos “Parceiros de Gestão.” A entidade cedeu o nome e a marca pois não tem recursos em caixa, patrocínio e sócios contribuintes. Possui sérios comprometimentos financeiros trabalhistas e dívidas junto a bancos e comércio. A atual diretoria não recebeu nenhuma prestação de contas das diretorias anteriores e, muitas vezes, temos feito pagamentos de pequenas despesas com recursos próprios.

Destacamos que, quando fizemos contratos de parcerias, acreditamos que eles seriam cumpridos dentro dos princípios da ética e do profissionalismo. Sendo assim, não coadunamos com eventuais atitudes de terceiros que possam, por ventura, infringir os princípios do esporte, o Código Brasileiro de Justiça Desportiva, regras da Federação Gaúcha de Futebol e Confederação Brasileira de Futebol.

Nova Prata, 29 de maio de 2021

Marcos Rodrigues da Rosa

Presidente

ASSOCIAÇÃO NOVA PRATA DE ESPORTES CULTURA E LAZER

NOTA DE ESCLARECIMENTO E REPÚDIO

 

Fonte: Rádio Ativa