Sem definição, região espera resposta do governo sobre flexibilização de restrições

A reunião virtual realizada entre o governador do Estado, Eduardo Leite com representantes da região para avaliar uma possível flexibilização

A reunião virtual realizada entre o governador do Estado, Eduardo Leite com representantes da região para avaliar uma possível flexibilização nas restrições provocadas pela mudança de bandeira no distanciamento controlado ficou sem definição. Após apresentarem dados da situação de cada município, o chefe do Executivo estadual prometeu analisar as informações repassadas e encaminhar um posicionamento na terça-feira, 16. Enquanto isso, o decreto indicando o fechamento de estabelecimentos considerados não essenciais deve seguir valendo.

Conforme o presidente da Associação dos Municípios da Encosta Superior da Região Nordeste (Amesne) e prefeito de Cotiporã, José Carlos Breda, a reunião foi dura e mostrou ao governo do RS, números que divergem os levados em consideração pela equipe estadual. “Estão se agarrando nos números, como se fossem a coisa mais perfeita do mundo. Aqui (Serra Gaúcha) não é essa a realidade. Tanto é que os números estão caindo, ao contrário do que o governador afirma de que existe uma tendência de crescimento”, explica.

De acordo com Breda, diversas sugestões foram levadas ao conhecimento do governador que, segundo ele, foram aceitas. Entre elas, o aviso com antecedência de qualquer medida mais dura que o Estado tome, para que os municípios da região possam se readequar e buscar soluções para sanar os problemas. “Ainda nesta noite, o governo irá se reunir com o gabinete de crise para nos dar um posicionamento”, disse.

Conforme o prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, os números confirmam que a situação apontada pela equipe de saúde estadual diverge dos números apresentados pelos prefeitos. “Apresentamos os nossos dados, buscamos confirmar isso que nós já estamos vivendo, que é uma desaceleração de contaminação, aumento no número de curados e estabilidade, a menor, dos pacientes ativos com o coronavírus. São números animadores, diferente do governo do Estado que enxerga de outra realidade”, pontua.

Segundo Pasin, apesar de uma reunião de posicionamentos fortes, foi os representantes da região puderam apresentar todos os indicadores que poderão ocasionar uma flexibilização nas restrições mais rígidas provocadas pela mudança de cor de bandeira. “Eu tenho a convicção de que os nossos dados são positivos. O número de leitos de UTIs vagos também ampliaram com a quantidade de pacientes clinicamente recuperados e agora, durante a semana, iremos ampliar ainda mais os leitos”, revela.

Até uma resposta do governo, Pasin explica que é necessário o cumprimento do novo decreto que passou a vigorar nesta segunda-feira, 15.