No Brasil, muitas bibliotecas públicas foram fechadas em cinco anos

Confira quantas bibliotecas foram fechadas no Brasil

No Brasil, aproximadamente 764 bibliotecas públicas foram fechadas entre 2015 e 2020, de acordo com informações do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP). Em 2015, os dados mostravam um total de 6.057 unidades no país, número que despencou para 5.293 em 2020.

Segundo a técnica em biblioteconomia, Elisa Lentes, a biblioteca deve se desenvolver e sempre buscar novas formas de atender os públicos variados e suas diferentes necessidades, além de se adaptar para manter os leitores e a participação ativa no cotidiano da população. “Também vale ressaltar que inúmeras bibliotecas públicas, muitas vezes, não possuem funcionários qualificados para exercer as funções da mesma. No Rio Grande do Sul possuímos cerca de 550 bibliotecas no momento, destas, somente 105 possuem um bibliotecário(a), ressaltando que, muitas vezes os epaços acabam por não possuir verba o suficiente para se manter em atividade e infelizmente acabam paralisando os serviços ou sendo desligadas”, afirma.

Ela alerta que para evitar o fechamento das instituições é necessário um trabalho constante de todas as partes, em prol da preservação do conhecimento, do acesso à leitura e à cultura. “Uma biblioteca não é feita somente do seu quadro funcional, ou dos projetos que desenvolve, uma das partes, se não a mais importante da mesma, é o público. A ideia que a biblioteca é um local de silêncio, somente para consulta ou empréstimos de materiais já está ultrapassada, os espaços dela existem para serem ocupados, o público pode e deve se fazer presente, seja para retirada de livros, propor ideias de projetos, dar opiniões sobre os serviços, ocupar as salas de estudo para reuniões, trabalhos, e encontros”, aponta.

Mantidas pelos municípios, estados e governo federal, as bibliotecas públicas atuam como ambientes para o acesso livre e irrestrito da população à livros, informação, construção de conhecimento, atividades culturais, dentre tantas outras funcionalidades. “A presença e funcionamento da mesma é de extrema importância, a do nosso município completa, em agosto, 82 anos de participação do cenário cultural na cidade e no estado”, finaliza.

Portas abertas com cultura e literatura

A Biblioteca Pública Castro Alves recebe, todos os meses, centenas de pessoas interessadas em literatura e conhecimento. Para incentivar a leitura, o espaço realiza diversas ações para abraçar a cidade como um todo, fazendo com que o livro esteja ainda mais próximo das pessoas. De acordo com o Secretário Municipal de Cultura, Evandro Soares, ler é muito importante para o desenvolvimento cognitivo e a exploração da imaginação. “A BPCA sempre teve a democratização do acesso à leitura como uma de suas prioridades, que é a nossa passagem e condução para novos horizontes e deve ser de acesso livre e irrestrito para todos que desejarem embarcar”, aponta.

Entre os principais projetos estão:

O “Leitura Viva”, que ocorre semanalmente, por meio de um encontro com alunas apenadas da Escola NEEJA da Penitenciária Estadual de Bento Gonçalves. São realizadas rodas de conversa, trabalhos focados na literatura e a inclusão através de contos, crônicas, letras de músicas, temas de empoderamento feminino, bem como a construção de valores, informação, conscientização e ressocialização.

O “Sou Visível”, encontro semanal que acontece nas dependências da Casa de Passagem, tem o objetivo de proporcionar, através da leitura literária e cines-debate, uma nova releitura social. “É uma tentativa de mudar a realidade das pessoas em situação de rua de nosso município”, salienta.

Na biblioteca, também segue ativo o “Dança Urbana”, projeto que tem como objetivo não somente ensinar ritmos e práticas corporais através da dança urbana, mas também integrar os participantes em um mundo até então inexplorado, que geralmente só atinge e envolve pessoas mais jovens. “O projeto promove o envelhecimento ativo, o protagonismo do idoso, relações intergeracionais, melhoria na qualidade de vida dos participantes, bem-estar, alegria, melhoria na autoestima, e também dará visibilidade para os trabalhos desenvolvidos pelos grupos de terceira idade”, informa Evandro.

O “Balaio da Saúde”, tem como propósito criar um espaço de acesso ao livro, fornecendo balaios com 40 obras de leitura rápida nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município e nos cinco Centros de Referência e CREAS. “Desperta o gosto e o hábito pela leitura na população que frequenta esses locais”, afirma.

O “Troca Troca de Livros”, ação que acontece dentro da biblioteca, onde existe um espaço destinado à circulação de livros através de trocas. Os munícipes que tiverem interesse em trocar seus livros, em bom estado, podem realizar mediante solicitação.

Já o projeto “Era uma vez”, focado na contação de histórias para crianças, atendeu 232 alunos do município durante os meses de maio, junho e julho. As escolas que tiverem interesse em levar seus alunos, devem ligar para o telefone 3452-5344.

Para divulgar os escritores da região, possui uma estante, logo na entrada da biblioteca, destinada às obras de autores locais. Com isso, Soares recomenda uma visita à biblioteca para a retirada de exemplares e para desfrutar de obras de ótimos escritores. “Algumas excelentes obras encontradas são: “Perfumes e moscas” do contista Ismael Sebben, “Rasga-ossos” da poeta Sabrina Dalbelo e “Ópera subterrânea” do escritor e professor de literatura Douglas Ceccagno”, ressalta.

Segundo o secretário, a biblioteca possui um enorme acervo físico, e também conta com a Biblioteca Digital, armazenando mais de 30 mil itens online para a leitura. A página pode ser acessada através do link https://www.arvore.com.br. “Para utilizar os serviços da Biblioteca Digital é necessário enviar solicitação para bibliotecadigitalbg@gmail.com. É preciso anexar documento de identidade e comprovante de endereço atualizado. A liberação do acesso tem prazo máximo de até um dia útil após a solicitação via e-mail. O usuário receberá por e-mail um login com o link e instruções sobre a plataforma, que pode ser acessada por PC, tablet ou aplicativo de celular”, revela.

Além da Biblioteca Digital e dos projetos especiais, a Biblioteca Pública realiza diversos eventos literários em seu espaço como saraus, palestras, lançamentos de livros e outros. Também é responsável pela organização da Semana do Livro e da Feira do Livro de Bento Gonçalves, que neste ano está em sua 37ª edição, marcada para acontecer entre 5 a 16 de outubro, na Via Del Vino. “Para todos os segmentos, este é um ano de retomada das atividades. Desde o final do ano passado temos nos empenhado para reativar os projetos, que, durante o período da pandemia estiverem paralisados, como os que mencionamos anteriormente. O nosso objetivo dentro destes eventos e projetos, é sempre evidenciar e usar como exemplo a trajetória e a presença dos incríveis escritores presentes no nosso município”, finaliza.

Fonte: Semanário