A receita de Carnaval que deu certo

Ruas cheias de vida, a Praça XV de Novembro pulsando… Um retrato de uma receita de Carnaval diferenciado, que mesclou

Ruas cheias de vida, a Praça XV de Novembro pulsando… Um retrato de uma receita de Carnaval diferenciado, que mesclou música, gastronomia e diversão. A mistura Verafolia e Art Food Festival deu certo e movimentou Veranópolis durante cinco noites. A Soal, por sua vez, também deu seu apoio e promoveu o Baile Máscaras e o Carnaval Infantil, com o apoio do Clube Caça e Pesca.
Famílias, pessoas de todas as idades, amigos, todos reunidos e aproveitando o que a cidade oferecia de melhor e de diferencial. Há muito tempo a Terra da Longevidade não vivenciava um evento que movimentasse tanto.
Até os que menos acreditavam no modelo de Carnaval ofertado acabaram se engajando e, principalmente, aproveitando. Quem passou pela Praça, também acabou valorizando outros estabelecimentos comerciais e gastronômicos da cidade, ou seja, todos saíram ganhando.
O Trenzinho da Alegria foi o mais procurado. Filas se formavam a todo momento de crianças (e pais) querendo fazer o passeio pelas ruas centrais da cidade.
O modelo também fugiu do que foi promovido em todas as edições anteriores e do que é promovido na região.  Caso se repita nas próximas edições, a tendência é que Vranópolis seja via alternativa para quem procura eventos para todas as idades. Se tornará, assim, um atrativo turístico e de valorização das pessoas. 
Que a receita do Carnaval seja ampliada e que novos eventos similares possam ocupar mais a nossa Praça XV e ruas adjacentes. Veranópolis precisa voltar a pulsar vida. Que as pessoas possam utilizar mais seus espaços públicos para atividades de lazer e entretenimento. Tudo isso gera qualidade de vida, gera economia e bem estar.
Que o novo desenho da Avenida Júlio de Castilhos, por meio da revitalização, possa valorizar a ocupação da população, com a realização de eventos e atividades de integração. Na mesma linha, a Rua Coberta no calçadão da Praça, deverá agregar mais eventos culturais.
Tudo é um somatório que alcança o seu ápice se houver a população, seja qual for o evento ou a iniciativa (privada ou pública).